Notícias

08/03/2016 09:09 / Atualizado em 09/03/2016 10:27

minuto(s) de leitura.

Dia da Mulher: data para reforçar a necessidade de igualdade de direitos

Um dos principais pontos de luta no dia de homenagem à mulher é a manutenção da democracia no Brasil, elemento agregador de importantes conquistas do universo feminino

Notícias

Mulher: direitos, igualdade, participação e poder. A lista de requisitos pode ser bem maior, mas com esses básicos fundamentos, busca-se que ela alcance uma vida digna conforme o seu papel em sociedade. Neste Dia Internacional da Mulher, é importante que se fortaleçam os laços de poder e a luta por igualdade na política, igualdade em questões de gênero e de remuneração, entre outros.

“Seja em casa ou nas ruas, elas devem exercer seu protagonismo e lutar pelo que desejam e, acima de tudo, para estarem inseridas em uma sociedade democrática. Neste 8 de março, temos motivos de sobra para reivindicar a garantia e avanços nos direitos conquistados nos últimos anos. E também para sensibilizar a sociedade pelo fim da violência e pela democracia no Brasil”, observa Fabiana Matheus, diretora de Administração e Finanças da Fenae.

No Dia Internacional da Mulher, a Federação alinha-se aos preceitos defendidos pela CUT, na busca em defesa da democracia, contra a reforma da previdência, a favor da legalização e descriminalização do aborto, pela ratificação das Convenções 189 e 156, pelo fim da violência contra mulher nos locais de trabalho, por uma educação igualitária e não discriminatória e pelo desenvolvimento sustentável que tenha como centro a vida humana.

Anabele Silva, diretora da Fenae, esclarece que o simbolismo expresso no dia de homenagem é importante na luta das mulheres. “Que essa busca por direitos seja contínua no sentido da igualdade de oportunidade para as mulheres. Lembramos que as conquistas já foram muitas, mas ainda há muito a se enfrentar para que a mulher seja respeitada em sua integralidade”, diz.

Embora a data seja de reivindicações para o alcance de direitos, ela também nos mostra conquistas históricas, como a que veio há um ano. No dia 7 de março de 2015, a presidenta Dilma Rousseff sancionou a lei 13.104, conhecida como Lei do Feminicídio. Com a mudança, a prática passou a ser considerada homicídio qualificado, entrando para o rol dos crimes hediondos.

Mulheres, não parem de lutar! Só assim será possível evitar retrocessos e perda de direitos!

Acesse as redes da Fenae:

Acesse e conheça as vantagens de ser um associado

Veja também
Nenhum registro foi encontrado.

selecione o melhor resultado