Notícias

PrevidenciaSocial-600x400

24 Janeiro 2019 - 13:52

MP quer restringir concessão de benefícios previdenciários aos trabalhadores

Medida dá ao governo prerrogativa de cortar benefícios a partir de "provas pré-constituídas" e para homologar aposentadorias rurais

 

Com a justificativa de coibir fraudes na Previdência Social, o governo editou no apagar das luzes de uma sexta-feira a Medida Provisória (MP) nº 871. O texto deixa claro que o objetivo do governo é preparar a Reforma da Previdência e restringir a concessão de benefícios aos trabalhadores. A MP prevê novas exigências e estabelece programas de combate a irregularidades. A partir de agora é como se fraudes no sistema fosse regra e não exceção.

Trata-se de ima clara que medida que confronta o Direito Tributário, permitindo que o Executivo legisle para impedir que se tenha mais direitos sociais. Não bastasse isso, a medida dá ao governo a prerrogativa para tratorar beneficiários com inconsistência cadastral e retira os sindicatos do processo de homologação da aposentadoria rural.

Alguns pontos abordados pela MP

Aposentadoria rural

O Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS) passa a ser a única forma de comprovar o tempo de trabalho rural sem contribuição a partir de 2020. O governo criará um documento de cadastro de segurados especiais junto aos Ministérios da Agricultura e da Economia em parceria com órgãos federais, estaduais e municipais, que decidirão entre eles quem tem direito à aposentadoria rural.

Quem precisar comprovar atividade rural antes de 2020, terá que fazer uma autodeclaração a ser homologada pelas entidades do Programa Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural na Agricultura Familiar e na Reforma Agrária (Pronater), ligado ao Ministério da Agricultura. A autodeclaração homologada substitui a declaração dos sindicatos de trabalhadores rurais.

Culpados até que se prove o contrário

A MP ainda altera o processo administrativo envolvendo casos suspeitos de irregularidade dos benefícios e permite que pagamentos sejam suspensos em casos de “prova pré-constituída” até que o beneficiário apresente defesa.

A medida dá ao governo a prerrogativa de punir pessoas sem uma avaliação conclusiva. Em caso de suspeita, havendo algum indício mesmo que não averiguado, aposentados e pensionistas podem ficar sem benefícios e terão que correr atrás para se justificar. Se chegarem à conclusão de que a suspeita é infundada, que direito terão?

 

selecione o melhor resultado