Notícias

foto_documentario2_400.jpg

05/02/20 15:17 / Atualizado em 11/07/20 19:12

minuto(s) de leitura.

História dos empregados da Caixa vira documentário “Não Toque em Meu Companheiro”

Dirigido por Maria Augusta Ramos, e realizado em parceria com a Fenae, a obra será lançada no dia 7 de fevereiro, no espaço Immensitá, em São Paulo (SP)

 

A premiada cineasta brasiliense Maria Augusta Ramos é a diretora do documentário “Não Toque em Meu Companheiro”. A obra de 74 minutos conta a história da mobilização de um grupo de 110 empregados da Caixa Econômica Federal de Minas Gerais, Paraná e São Paulo, ao longo de um ano, após serem demitidos injustamente em 1991. Coordenado pela Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae), o filme terá estreia especial no dia 7 de fevereiro, no Inspira Fenae/Apcef 2020. O evento, que irá debater experiências inovadoras e tecnológicas para o futuro, acontece no espaço Immensitá, em São Paulo (SP).

Em “Não Toque em Meu Companheiro”, os trabalhadores da Caixa foram demitidos por atos do então governo Fernando Collor de Mello, uma semana depois de terem concluído estágio probatório, não poupando nem quem estava de licença-maternidade. Durante mais de um ano, os empregados do banco ampararam financeiramente os demitidos e organizaram mobilizações até a reintegração de todos. Para Maria Augusta, trata-se de uma incrível história de solidariedade e luta dos empregados da Caixa. “Também senti que seria um filme extremamente necessário nesse momento pelo qual estamos passando no Brasil e no Mundo no tocante às relações de trabalho e aos direitos dos trabalhadores”, afirmou a cineasta.

Na época, o número de demitidos abrangeu 50 trabalhadores em São Paulo, 30 em Belo Horizonte e outros 30 em Londrina. E foram exatamente nessas cidades onde aconteceram as gravações. No set de filmagem, foram muitos os reencontros emocionados. Trabalhadores que não se viam há anos se comoveram ao relembrar o cenário de desalento, a mobilização e solidariedade dos colegas. Nas gravações, empregados demitidos e os mais jovens refletiram sobre o que aconteceu no passado e os novos dilemas do trabalho no banco.

“Esses momentos são o coração do filme, pela beleza da história que eles carregam, pela emoção do reencontro dos demitidos e pela urgência de falar sobre essa luta em um momento onde os direitos do trabalhador - mas não só - voltam a ser atacados”, avaliou Maria Augusta.

O presidente da Fenae, Jair Pedro Ferreira, também estava entre os demitidos de 1991 e é um dos personagens do filme. Segundo ele, este foi um capítulo importante da luta por direitos dos trabalhadores e destacou que o resgate da história de luta pela reintegração dos demitidos é vital para os novos empregados compreenderem que o movimento nacional na Caixa é feito de mobilizações e conquistas. “Registrar e contar esses acontecimentos, rever as pessoas, ouvir sobre o que cada um viveu e reafirmar a rede de solidariedade entre trabalhadores de um mesmo banco, o único 100% público do país, são alguns do importante saldo captado pelo documentário”, pontuou.

Além do lançamento em São Paulo, o documentário “Não Toque em Meu Companheiro” caminhará por todo o país com as estreias nos estados, em eventos especiais apoiados pela Fenae e Associações do Pessoal da Caixa (Apcefs).

Serviço: Lançamento documentário “Não Toque em Meu Companheiro” no Inspira Fenae/Apcef 2020
Data: Dia 7 de fevereiro de 2020
Horário: A partir das 20h45
Local: Espaço Immensitá - Avenida Luiz Dumont Villares, 392 – Santana – São Paulo (SP)

 

Acesse as redes da Fenae:

Acesse e conheça as vantagens de ser um associado

Veja também
Nenhum registro foi encontrado.

selecione o melhor resultado