Notícias

Ultimas noticias corona 400.jpg

25/03/20 19:10 / Atualizado em 25/03/20 19:43

minuto(s) de leitura.

Empregados pedem mais ações para preservar saúde dos empregados e Saúde Caixa para todos

Outras propostas são fim do descomissionamento, suspensão da Reestruturação e quarenta para pessoas que convivam com grupos de risco

A Comissão Executiva dos Empregados da Caixa (CEE/Caixa) enviou nesta quarta-feira (25) um ofício à Caixa reivindicando que o banco público inclua os novos trabalhadores, em sua maioria PCDs no Saúde Caixa. A ação é resultado de um dos principais pontos discutidos durante a reunião da CEE Caixa, realizada nesta terça-feira (24), por videoconferência, na qual a principal cobrança feita foi o Saúde Caixa para todos.

“Mais de dois mil empregados que foram contratados pela Caixa desde setembro de 2018 estão sem acesso ao Saúde Caixa. Não há tempo a perder. As próximas semanas serão decisivas para a contenção ou proliferação do vírus. Em suas funções diárias, em escritórios fechados e nas agências, interagindo com centenas de pessoas por dia, as chances de os trabalhadores adoecerem é muito alta”, destacou Dionísio Reis, coordenador da CEE/ Caixa.

A CEE/Caixa também reconheceu outras medidas de prevenção já adotadas pela Caixa, em resposta às reivindicações da Categoria por meio de suas entidades representativas, à exemplo de 70% das agências que já estão em regime de teletrabalho. Em muitas áreas meio 100% dos empregados estão em casa.

“As entidades, os sindicatos, e a Comissão estão atentos e à disposição dos empregados para receber qualquer denúncia ou questionamentos sobre o cumprimento das regras já estabelecidas”, alertou Dionísio Siqueira.

A CEE irá ainda  cobrar suspensão dos processos administrativos e dos PSI. 

Segundo Dionísio Siqueira, são medidas que foram demandadas pela categoria: “O objetivo das entidades é lutar para preservar a vida e a saúde dos empregados, dos terceirizados e da população, para que possamos reestabelecer o equilíbrio da economia após a pandemia. Neste sentido as empresas devem se responsabilizar com os seus trabalhadores e também pensar na recuperação econômica após a  pandemia do COVID 19”, afirmou.

A CEE/Caixa, defende ainda:

- A flexibilização da jornada dos 30% nas agências, de modo a permitir que estas pessoas retornem a suas casas fora do horário de pico, além de reduzir ao máximo seu tempo de exposição trabalhando apenas em horário de atendimento;

- Estipular obrigatoriedade no rodízio dos 30%, de maneira que fiquem a semana em casa;

- Implementação de escalas nas jornadas de teletrabalho, para que não haja interrupção pelo sistema, além de preservar a saúde mental destes trabalhadores;

- Disponibilizar canal para comunicação de adoecimento mental;

- Obrigatoriedade de quarentena em home office para mães e pais de crianças em idade escolar;

- Obrigatoriedade de quarentena em home office para funcionários que residem com pessoas do grupo de risco;

- Acionar protocolo de quarentena e higienização em casos de suspeita clínica, mesmo sem o CID, quando houver pedido de exame;

- Agendamento para todos os atendimentos presenciais;

- Suspensão dos PSIs e Fim da reestruturação;

- Higienização periódica nas agências de hora em hora;

- Vida e Saúde em Primeiro Lugar.

Acesse as redes da Fenae:

Acesse e conheça as vantagens de ser um associado

Veja também
Nenhum registro foi encontrado.

selecione o melhor resultado