Defesa da Democracia

EDITORIAL. “Fenae endossa movimento nacional em defesa da democracia e da Caixa 100% pública”

24/01/18 10:20 /

 

O cenário no país é de exclusão de direitos, desmonte do patrimônio público e do processo democrático e de perdas iminentes de direitos dos trabalhadores, conquistados a duras penas. Projetos em tramitação no Congresso Nacional, com ataques diretos sobre a dinâmica da gestão compartilhada nos bancos e empresas públicas, são a prova cabal disso. Instituições como a Caixa Econômica Federal, garantias trabalhistas, aposentadorias e programas sociais que tiraram milhões da miséria, entre outras iniciativas positivas, estão no foco de destruição daqueles que sempre rejeitaram qualquer possibilidade de ascensão do povo.

No Brasil, a ruptura democrática ficou evidenciada pelo afastamento da então presidenta Dilma Rousseff pelo golpe de abril de 2016. Esse processo representou um novo ciclo de ataques à soberania nacional, à democracia e aos direitos sociais. O bê-á-bá de um projeto com desenvolvimento e inclusão social passa pelo princípio de que, para consertar este país, o trabalhador e o povo pobre precisam estar inseridos na economia. A questão fundamental é essa: para que um novo ciclo de crescimento seja retomado, com o propósito de reafirmar a defesa das instituições democráticas que estão sendo duramente atacadas, a classe trabalhadora e suas entidades representativas devem fazer a resistência em todo o país.  

A tarefa dessa mobilização nacional é resgatar o papel pedagógico da democracia como mediadora dos conflitos do desenvolvimento. O sentido profundo da luta pelo desenvolvimento vincula-se à defesa da democracia, da soberania nacional e da justiça social. Fora dessa perspectiva, sobram arrocho, recessão e desmonte do patrimônio público.

A estrutura de desigualdades da sociedade brasileira precisa ser enfrentada com uma plataforma popular. Diante dos ataques do governo ilegítimo de Michel Temer, da mídia e de setores do Judiciário, a saída será pela mobilização nas ruas, de modo a defender o aprofundamento da democracia e as reformas estruturais para o Brasil, com novos paradigmas no modelo tributário, agrário, educacional, democratização dos meios de comunicação e reforma democrática do sistema político. Todas essas ações são necessárias para acabar com a corrupção e ampliar a participação popular. 

O Brasil vive um momento de encruzilhada: ou restaura os direitos sociais e o Estado Democrático de Direito ou será derrotado por uma estrutura de sociedade baseada na superexploração dos trabalhadores. A Fenae está na luta para ampliar os direitos sociais abrigados na Constituição de 1988, combatendo assim a lógica privada, com a qual o neoliberalismo agride a democracia. É por isso que, ao lado de entidades dos movimentos sindicais e populares, juventude e partidos políticos, estará nas ruas de todo o país nesta quarta-feira (24) em defesa dos direitos sociais, da liberdade e da democracia, contra a ofensiva da direita e por saídas populares para a crise.

Somos milhares de cidadãos brasileiros. Não dá para permitir que o retrocesso institucional prevaleça, com a desastrosa interrupção do processo democrático do país. Não dá para aceitar nenhum direito a menos. Nas manifestações de ruas do próximo dia 24, o grito que ecoará nos quatro cantos do país será o da defesa da democracia, dos direitos dos trabalhadores e o da defesa da Caixa 100% pública!

DIRETORIA DA FENAE